Metalúrgicos do ABC garantem na Justiça negociação para debater futuro da Toyota

Em audiência realizada na sexta (8) no TRT/SP, sindicato conquistou a criação de mesa para tratar da manutenção da fábrica da Toyota em São Bernardo do Campo, cujas atividades seriam encerradas pela montadora.


Em assembleia na manhã desta segunda-feira (11) o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (SMABC) comunicou aos trabalhadores e trabalhadoras na Toyota de São Bernardo do Campo a decisão da audiência de conciliação realizada no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT/SP) na última sexta-feira (08) de determinar a criação de uma mesa negociação para a verificação da viabilidade da permanência da fábrica na cidade. Durante a assembleia, os trabalhadores também aprovaram o retorno aos postos de trabalho já a partir de hoje.


A audiência de conciliação aconteceu após a Toyota entrar com uma ação contra as mobilizações dos trabalhadores depois da entrega do aviso greve na última quarta-feira (06). A decisão judicial também assegurou que os protestos e manifestações ocorridos dos dias 6, 7 e 8 de abril não serão descontadas dos salários dos trabalhadores.


Para o presidente do Sindicato, Moisés Selerges, a decisão da Justiça acabou por atender o pedido do Sindicato e a decisão de retorno aos postos de trabalho na assembleia de hoje foi soberana.


“Os trabalhadores seguiram a orientação da justiça de retornar ao trabalho e entenderam a vitória desta primeira fase. Queremos agora que nesta mesa de negociação tenhamos junto ao Sindicato e a empresa a participação do município, do Estado e o acompanhamento da Justiça do Trabalho. Queremos sentar, conversar e desenvolver alternativas”, destacou Selerges.


O diretor administrativo do Sindicato e negociador na Toyota, Wellington Messias Damasceno, apontou que a justiça reconheceu a posição coerente do Sindicato desde o anúncio da montadora. Em seu ponto de vista, o órgão compreendeu que a entidade sindical está propondo caminhos alcançáveis, ao contrário da empresa que apresenta uma postura intransigente, inclusive na própria justiça.


“A empresa se mostra intransigente e que não abre espaço para fazer a negociação, diferente de todo o histórico que tem. Ela [Toyota] instaurou o dissídio, nós fomos lá e colocamos o posicionamento de que se abra uma mesa de negociação. Não pedimos nada demais. Só queremos discutir a viabilidade da empresa. O Sindicato sempre buscou a negociação”, lembrou o dirigente.


Ainda no dia de hoje a direção do Sindicato tem reuniões com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo e com o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando.


O Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos e Ibaté se solidariza a luta dos trabalhadores na Toyota.



Foto: Adonis Guerra / SMABC